Conceito

Estúdio de Design

Com uma proposta inovadora e um conceito contemporâneo de home decor, Baka Studio surge como desdobramento das experiências e pesquisas de Alice Buratto, artista (formada pela universidade Belas Artes) e antropóloga (Formada pela Universidade de São Paulo) que, após viver alguns anos na Cidade do Cabo (África do Sul), buscou desenvolver uma marca com a ideia de torná-la uma referência para aqueles que procuram novas inspirações em decoração, arte e design. O Baka Studio é a melhor escolha para quem busca inovação, nossa proposta não é seguir tendências, nem o que está em alta. O que buscamos é “personalidade”. Compomos com um amplo quadro de peças e combinações possíveis, juntando o vintage com o moderno, o industrial, o rústico, o design com a arte, criando assim um ambiente cheio de originalidade e que seja, simultaneamente, atemporal e único, ao mesmo tempo sofisticado e elegante. Tendências costumam ser datadas e virem acompanhadas por modismos. No Baka não seguimos nenhuma. Apenas queremos assinar com autenticidade e personalidade o ambiente que se adequa ao gosto do cliente. Nos inspiramos em referências estéticas e culturais trazidas por populações autóctones de diferentes regiões de África, Ásia e Américas, unindo-as aos aos conceitos mais atuais nos ramos do design e arquitetura. Propomos uma ideia de home decor que provêm de uma miscelânea de tons, texturas e formas.

DESIGN ÉTNICO E COMTEMPORÂNEO
Estúdio de Design 02

As nossas composições decorrem da combinação entre elementos étnicos e contemporâneos, juntando formas industriais, vintages com peças tradicionais com vistas a produzir um ambiente cheio de estilo e autenticidade. Temos como proposta principal a divulgação e a valorização da cultura étnica africana, a qual entendemos como uma das principais bases culturais do Brasil. Unindo o trabalho de restauro de peças históricas africanas (encontradas fora de sua comunidade de origem), com a criação de um acervo sobre as mesmas, e a comercialização de réplicas e produções atuais, tem-se como objetivo aproximar a população brasileira com elementos culturais de suma importância. Dessa maneira, a partir deste mix de produtos e de linguagens encontrado em nossas composições, acreditamos que podemos incentivar e despertar o interesse nas pessoas cerca de nossa cultura e da cultura africana, afirmando que elementos étnicos são adequados para qualquer situação, ambiente e sujeito.

DESIGN SUSTENTÁVEL E CONSCIENTE
Estudio de Design 03

Sustentabilidade é um termo que escutamos muito ultimamente, contudo muitas vezes não sabemos o que tal expressão significa. Desse modo, primeiramente, cabe explanar que para se alcançar um desenvolvimento sustentável é necessariamente desenvolver empreendimentos economicamente viáveis, socialmente justos e ambientalmente corretos.Entende-se como socialmente correto um empreendimento que contribua para a construção de uma sociedade mais equilibrada, o qual diminua as diferenças sociais, havendo a justa valorização do trabalho de populações locais. Sendo assim, o Baka Studio, procura estimular a produção local e artesanal de diversos lugares do mundo, apoiando artesões e trabalhos manuais. Nossos produtos são majoritariamente artesanais produzidos manualmente por pessoas que vivem em diferentes localidades do mundo.

Estudio de design 04

Por último, “ambientalmente correto” seria aquele empreendimento que se valeria de recursos naturais, priorizando a utilização das energias renováveis, o uso de matérias-primas biodegradáveis, reutilizáveis e de fácil reciclagem e sem contaminação do meio ambiente. Desse modo, Baka Studio prioriza o reaproveitamento de materiais na maior parte de suas peças, como em sua linha Indutrial Trend, que faz uso de materiais de demolição.Outra matéria prima importante para o Baka Studio, são as peles e o couro, que são sempre advindos da África do Sul e Namibia, países nos o consumo da carne de zebra, assim como do springbok corresponde a uma tradição cultural e cotidiana . Deste modo, há um grande refugo de peles, ossos e chifres, que são aproveitadas por nosso estúdio, criando elementos novos. Todas as peles e materiais provenientes de animais advêm de resíduos da indústria alimentícia e são adquiridos de forma legal, sendo certificados pelo Cape Nature, orgão de fiscalização e legislação ambiental da África do Sul.

DESIGN DE PRODUTO

O Baka Studio desenvolve produções próprias, que abrangem desde a moda à decoração. Com objetivo de explorar ao máximo as potencialidades dos materiais do Brasil e da África subsaariana, combinamos diferentes matérias-primas orgânicas que são encontrados nessas localidades.

Com tecidos africanos de uso tradicionais são desenvolvidos produtos contemporâneos para serem usados em nossas casas. A partir de fibras naturais, refugos da indústria alimentícia, tais como o couro e os chifres, combinados com o metal, ampliamos nosso leque de possibilidades, possibilitando explorar a dualidade entre o orgânico, o tradicional com o industrial e o moderno. Criamos assim objetos inusitados que consistem na composição de dualidades. Para tal, o Baka consta com dois ateliês: um na cidade de São Paulo e outro na Cidade do Cabo, África do Sul.

Em 2016, Alice Buratto, fundadora e designer da marca, conhece a sul-africana Fiona Cuyler quem em 1998 fundou a FSP Collection. A partir do uso de peles e couros provenientes da indústria alimentícia local, Fiona cria com maestria bolsas e acessórios, que se destacam pelo seu exímio acabamento. Assim, a partir de uma parceria com o Baka Studio, começa a desenvolver peças exclusivas para a marca.  

Junto a isso, a partir da paixão das diferentes expressões possibilitadas pela cerâmica, presentes nas suas variadas texturas, formas, durezas e cores, o estúdio de design do Baka conta com a participação da ceramista Alice Salles do ateliê Amaly Arte. Ceramista desde a década de 90, Alice cria diferentes utilitários influenciados pelo tom da natureza para a concepção de peças para o Baka Studio. 

Através de diferentes projetos solidários, o Baka conta também com um variado time de artesões.